Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade de Niterói forma novos voluntários para programa de restauração ecológica

12/03/2021 – Doze jovens niteroienses irão trabalhar como voluntários do projeto Restauração Ecológica e Inclusão Social, desenvolvido pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade de Niterói (SMARHS). Eles serão responsáveis pelo plantio de mudas e sementes de plantas nativas, que serão utilizadas no reflorestamento de áreas de restinga, manguezais, ilhas e de mata.

Os voluntários participaram de um encontro de capacitação, ministrado pela professora Janie Garcia, do Laboratório Horto-Viveiro da Universidade Federal Fluminense (UFF); e do cientista ambiental da SMARHS e especialista em agroecologia, Allan de Souza Gama Teixeira.

Além de aprenderem todo o processo de produção de mudas e detalhes sobre como o trabalho é desenvolvido em campo, incluindo medidas de segurança, também foram apresentados aos jovens os equipamentos de proteção individual (EPIs) e as ferramentas que serão utilizadas.

O projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social teve início em 2019, com investimento de R$ 2,9 milhões, financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a fundo perdido (não reembolsável), e tem duração de quatro anos.

O objetivo do programa é a restauração ecológica de 203,1 hectares de diferentes fitofisionomias da Mata Atlântica, contemplando a recuperação de 30,37 hectares de vegetação nas ilhas Pai, Mãe, Menina e do Veado, inseridas no Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit) e no Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset); 65,30 hectares de manguezal no entorno da Laguna de Itaipu e Piratininga, inseridos parcialmente no Peset e no setor lagunar do Parnit; 21,16 hectares de vegetação de restinga em cinco praias do município (Itacoatiara, Camboinhas, Piratininga, Itaipu e Charitas); e 86,28 hectares de vegetação o Morro da Viração, em área inserida no Parnit.

Através destas medidas, contribui-se para um aumento de conectividade entre diferentes ecossistemas da Mata Atlântica, incremento da biodiversidade e melhoria das funções ecológicas prestados por estes ecossistemas. Além disso, como privilegia a compra de sementes advindas de comunidades tradicionais ou agricultores familiares, o projeto fortalece esta cadeia produtiva.

Em 2020, em função da pandemia, o projeto sofreu uma interrupção e agora será retomado pela nova gestão da Prefeitura de Niterói.

“Esse projeto tem uma grande importância para o nosso município, porque contempla o reflorestamento de áreas essenciais para os ecossistemas em torno da Mata Atlântica. Estamos retomando seu desenvolvimento, com alguns ajustes. O trabalho dos jovens voluntários é essencial para o sucesso do programa, ao mesmo tempo que promovemos a inclusão social e a consciência ambiental das comunidades envolvidas”, afirma o secretário e Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade, Rafael Robertson.

O subsecretário de Sustentabilidade, Allan Cruz, informa que, após a capacitação dos novos voluntários, o trabalho de plantio será retomado em abril.

“Esse projeto é muito importante para nossa cidade e para o meio ambiente. Após dois meses de muito trabalho, conseguimos realizar esse curso de capacitação, que foi o marco para o reinício do trabalho voluntário nas restingas. Na primeira semana de abril iniciaremos pela restinga da Praia de Itaipu, e também atuaremos em alguns pontos da restinga da Praia de Camboinhas, próximo à Associação de Windsurf, que é o núcleo náutico do Peset, gerido pelo INEA em cooperação com a Associação de Windsurf de Niterói. Também voltaremos para o Parnit, realizando o plantio de mudas de juçara com os voluntários do projeto EcoSocial e do parque, que contribuem muito para esse projeto. Vale ressaltar que a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou 2021-2030 a década da Restauração de Ecossistemas e Niterói já está fazendo a parte dela”, explicou Allan.

O projeto de Restauração Ecológica e Inclusão Social tem a parceria do Laboratório Horto-Viveiro da UFF, Secretaria de Conservação de Niterói, Clin, Resex de Itaipu e Piratininga e Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset).

Os voluntários – O subsecretário Allan Cruz destaca a participação dos voluntários para o sucesso do projeto.

“Eles são jovens apaixonados pela natureza. Contamos com a indicação da Reserva Extrativista Marinha de Itaipu (Resex) e de colaboradores. Entrevistamos mais de 20 jovens e selecionamos 12 para a retomada do projeto. São universitários, jovens com o sonho de ingressar numa universidade e alguns já com graduação. Temos espaço para todas as idades, o fundamental é ser conectado e apaixonado pela natureza”, diz.

Niterói Mais Verde – A iniciativa faz parte do conjunto de ações que compõem o programa Niterói Mais Verde, instituído pela Prefeitura através do Decreto 11.744/2014. O referido decreto instituiu o Parque Natural Municipal de Niterói (PARNIT) e o Mosaico Norte de Áreas Protegidas e estabeleceu a prioridade de restauração das áreas verdes da cidade.

O foco do Projeto de Restauração Ecológica do Município de Niterói é a Região Oceânica de Niterói, onde atuará de forma integrada com o Programa Região Oceânica Sustentável (PRO-Sustentável), financiado pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). O PRO-Sustentável investirá na implantação do PARNIT (setores Morro da Viração, Parque Orla de Piratininga e Praia do Sossego), na implantação de 60 km de ciclovias e na renaturalização do Rio Jacaré.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support