Com a primeira secretaria municipal do Clima do País, Niterói quer prédios públicos com emissão zero de carbono

15/03/2021 – Criada em fevereiro, a Secretaria Municipal do Clima, a primeira do tipo no Brasil, está discutindo com outros órgãos medidas de enfrentamento e mitigação de danos com relação às mudanças climáticas. Um dos projetos é que prédios públicos tenham uma gestão mais eficiente de resíduos, emissões de gases e mobilidade. A ideia é ter unidades de saúde e educação com emissão zero de carbono. Neste 16 de março é comemorado o Dia Nacional da Conscientização sobre Mudanças Climáticas. Além disso, em junho, na Semana do Meio Ambiente, o município vai receber o primeiro Fórum Estadual do Clima do Estado do Rio de Janeiro.

Pelo protagonismo na agenda ambiental, Niterói vai sediar, em junho, durante a Semana do Meio Ambiente, o primeiro Fórum Estadual do Clima do Estado do Rio de Janeiro. A Prefeitura de Niterói está puxando a movimentação para reunir os 92 municípios na discussão, no âmbito estadual, de medidas concretas para redução do impacto de mudanças climáticas. Criada em fevereiro deste ano, a Secretaria Municipal do Clima vai instituir, na ocasião, o Fórum Municipal de Mudanças Climáticas de Niterói.

Nos últimos anos, Niterói vem avançando em políticas ambientais. Em 2014, com o Decreto 11.744/2014, a cidade passou a contar com mais da metade do seu território protegido por unidades de conservação. O prefeito de Niterói, Axel Grael, pretende colocar a questão climática em destaque e em igualdade de diálogo com os demais temas.

“Os relatórios do Painel Intergovernamental para a Mudança de Clima – IPCC sempre alertam que as maiores preocupações com os problemas climáticos devem estar no fato que elas afetam a todos, mas principalmente a população mais pobre, normalmente mais vulnerável, devido à precariedade da infraestrutura e dos serviços na maioria das cidades. Portanto, a agenda climática é também uma agenda social e de justiça ambiental”, pontua.

Um dos projetos em andamento no município é a implementação de políticas públicas para que os prédios da administração pública se adaptem a padrões de emissão zero de carbono. A Secretaria Municipal do Clima está articulando, junto à Secretaria de Saúde e Secretaria de Educação, para que escolas e unidades do Médico de Família, por exemplo, desenvolvam ações de mitigação dos gases de efeito estufa e gestão eficiente de resíduos.

Em 2017, a Prefeitura de Niterói recebeu o selo de elaboração do inventário das emissões de gases de efeito estufa (GEE), concedido pelo Iclei (Governos Locais pela Sustentabilidade). O documento atesta o comprometimento do governo municipal com o enfrentamento às mudanças climáticas. De acordo com o Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (Seeg-ECO), o Estado do Rio ocupa o 11° lugar no ranking de maiores emissores.

O secretário municipal do Clima, Luciano Paez, lembra que o Grupo Executivo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas de Niterói (GE-CLIMA), criado em 2016, será coordenado pela Secretaria. O grupo de trabalho tem o objetivo de executar estudos, propor ações, conscientizar e mobilizar a sociedade e o governo municipal para a discussão dos problemas decorrentes das mudanças do clima e promoção do desenvolvimento sustentável, contribuindo para o crescimento econômico, a preservação ambiental e o envolvimento social.

“Não podemos mais pensar a cidade como um organismo que só recebe cuidados quando adoece. Desta maneira, as políticas de prevenção, adaptação às mudanças climáticas e redução de danos causados por tais transformações precisam ser planejadas e executadas. Trataremos de forma transversal com as demais secretarias de governo. Criar ações e projetar Niterói para enfrentar as próximas décadas é ter não somente uma consciência ambiental, mas também uma responsabilidade com os recursos públicos”, defende.

Mobilidade – Entre os maiores desafios de Niterói na questão do clima e da sustentabilidade está a qualidade do ar, devido à intensa circulação de veículos automotores. O número de carros aumentou 28% nos últimos 10 anos, o que significa que há um carro para cada três habitantes. Esse desafio está sendo enfrentado com as diretrizes do novo Plano Diretor e do Plano de Mobilidade, e com projetos estruturantes voltados para a mobilidade sustentável, a expansão do transporte público e o fortalecimento da mobilidade ativa.

Nos últimos sete anos Niterói triplicou a rede cicloviária que tem atualmente 45 quilômetros. A implantação do primeiro lote do sistema cicloviário da Região Oceânica está prevista para iniciar este mês. Serão licitados ainda outros dois lotes de obras. Com isso, a região vai ganhar mais 60 quilômetros de malha cicloviária. Em 2017, foi inaugurado o bicicletário Araribóia, ao lado da Estação das Barcas, que oferece 446 vagas e tem 11 mil usuários cadastrados. Nos últimos anos, segundo o programa Niterói de Bicicleta, o fluxo de ciclistas nas principais vias da cidade aumentou cerca de 300%.

A Transoceânica foi um dos projetos mais importantes de Niterói. O corredor viário, que começa em Charitas e segue até o Engenho do Mato, tem extensão de 9,3 quilômetros e 13 estações de ônibus BHLS (Bus of High Level of Service), beneficiando cerca de 80 mil usuários diariamente. Parte da TransOceânica, o túnel Charitas-Cafubá era esperado pelos niteroienses há mais de 40 anos. A nova ligação entre a Zona Sul e a Região Oceânica trouxe resultados positivos no trânsito ao desafogar pontos tradicionalmente críticos como o Largo da Batalha e a Avenida Presidente Roosevelt, em São Francisco. Cada uma das galerias do túnel tem 1,3 km de extensão e três pistas (duas para carros, uma para ônibus do sistema BHS), além de uma ciclovia, proporcionando ainda mais espaço na cidade para a bicicleta como meio de transporte.

Meio ambiente – Sobre as políticas ambientais, Niterói passou a ter 42% de seu território protegido por unidades de conservação e 56% de áreas verdes. A cidade também desenvolve, há sete anos, o projeto Enseada Limpa para despoluição da Enseada de Jurujuba (parte da Baía de Guanabara). O índice de balneabilidade aumentou de 28% para 61% em quatro anos.

Está em andamento a criação do Parque Orla Piratininga (POP). O projeto da Prefeitura de Niterói contempla a recomposição vegetal da orla da Lagoa, abrangendo uma área de mais de 150 mil metros quadrados. O POP será um passo fundamental para a despoluição da lagoa. Um dos diferenciais do parque é a implantação de um sistema de gestão de águas pluviais composto por bacias de sedimentação, jardins filtrantes, jardins de chuva e biovaletas para a captação e tratamento das águas provenientes dos rios e da rede de drenagem das principais bacias contribuintes à Lagoa de Piratininga.

Saneamento – Niterói tem 100% de abastecimento de água tratada e 95% da população tem acesso a rede de esgoto. Apenas 10 cidades no Brasil têm mais de 80% da população com rede de esgoto. Niterói também se lançou seu Plano Municipal de Saneamento, que tem por objetivo estabelecer metas de curto, médio e longo prazos para melhorias no atendimento dos serviços de saneamento básico e, principalmente, ser mais uma ferramenta que visa a garantir a universalização do acesso de toda a população aos serviços que são essenciais à adequada qualidade de vida e saúde pública.

Em 2020, Niterói participou do evento “Desenvolvimento urbano resiliente e favorável ao clima – planejamento de projetos com medidas municipais de adaptação, na América Latina”. Promovido anualmente pela Connective Cities, o encontro reúne cidades latino-americanas para debater políticas públicas de sustentabilidade. Na ocasião, foi apresentado o projeto Encosta Verde, que tem como objetivo fortalecer as condições de segurança da encosta, limitando os riscos de deslizamentos de terra e incêndios na comunidade do Boa Vista. A iniciativa será possível através de ações múltiplas e integradas, como reflorestamento, profissionalização e implantação de parque solar.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support