Parque Esportivo e Social do Caramujo terá aulas de tiro com arco e badminton

O Parque Esportivo e de Inclusão Social do Caramujo (PESC) promoveu nesta sexta-feira (04) a aula inaugural das novas modalidades esportivas de tiro com arco e badminton. As atividades serão disponibilizadas no parque para os moradores da comunidade e adjacências. O espaço conta com diversas atividades esportivas, sociais e de prevenção à saúde. As atividades são todas gratuitas e seguem os protocolos sanitários estabelecidos. Atualmente, mais de 200 pessoas estão ativas no projeto.


O prefeito de Niterói, Axel Grael, que acompanhou e participou das duas aulas inaugurais com as crianças da comunidade, reforçou a oportunidade que o esporte pode trazer na mudança de vida de cada uma delas.


“Eu tenho um orgulho enorme de ver isso aqui funcionando. Foi um projeto que eu concebi e que escolhi o local para implantar, mesmo sabendo o desafio que seria por ser um lugar marcado pela violência. Hoje é um espaço onde temos várias práticas esportivas oferecidas para a comunidade. Isso é muito importante porque permite que o jovem encontre o esporte que melhor se adapte ao seu biotipo. O esporte é uma oportunidade de ascensão social, de lazer e de desenvolvimento de talentos”, destacou o prefeito, que completou “Ser campeão não é a única referência de sucesso. O esporte desenvolvido com prazer já é maravilhoso. Ser profissional ou se tornar um professor da modalidade já é ser campeão, pois você descobriu uma vocação e uma profissão para melhorar na vida. Então o esporte é rico de oportunidades e ver o Parque Esportivo atraindo essa garotada é muito gratificante. O objetivo não é fazer campeões, mas tomara que eles venham”.


O prefeito contou ainda uma história pessoal ligada ao badminton.


“Meu irmão era atleta de badminton quando sofreu um acidente. Um dia, ele chegou no Projeto Grael, projeto social ligado ao esporte desenvolvido pela família, e disse: ‘se alguém se interessar e quiser treinar de verdade, eu doo meu material’. Naquele momento, duas meninas do projeto levantaram a mão e ele pegou o nosso material pessoal, meu e dele, e deu para as duas meninas treinarem. Uma delas, a Fabi (Fabiana da Silva), vai disputar a Olimpíada de Tóquio esse ano”, contou Axel.


O administrador regional do Fonseca e Adjacências, Oto Bahia, reforça que as atividades previstas para o Parque Esportivo integram três eixos de atuação: esporte, cultura e cidadania, e atenção social.


“O Parque procura difundir os valores esportivos, disciplinares, inclusivos e humanitários, associados a práticas que incluam e potencializem as famílias através de uma atenção global às necessidades apresentadas. A ideia é que o Pesc seja um polo de geração de oportunidades para o bairro do Caramujo e adjacências, buscando salvar vidas através do esporte. Também temos projetos com a terceira idade”, explicou o administrador.


Carlos Aveiro, gerente do Pesc, explica que a equipe vem se adaptando ao novo normal e buscando modalidades que possam ser aplicadas mantendo o distanciamento necessário.


“Tanto o badminton quanto o tiro com arco são atividades que poderão ser realizadas com toda segurança e mantendo o distanciamento necessário no novo normal. A equipe do parque vem se adaptando e buscando novas modalidades para implementar no espaço. Estamos saindo na frente e trazendo para dentro da comunidade modalidades esportivas e olímpicas consideradas esportes de elite”, destacou.


Todo o material para a atividade de tiro com arco, avaliado em R$ 30 mil, será utilizado através de uma concessão de uso pela Confederação Brasileira de Tiro com Arco, em forma de comodato. Para o badminton, que lembra um jogo do tênis, mas é jogado com uma espécie de peteca, chamada de volante ou birdie, foram doadas 20 raquetes, 36 petecas e quatro redes da modalidade. Além disso, a equipe do parque também recebeu capacitação técnica para os profissionais.

“Eu venho de uma experiência com outra comunidade. Nossos atletas olímpicos de 2016 eram da comunidade, nosso atleta olímpico que vai disputar em Tóquio esse ano vem de comunidade, então o esporte acaba agregando. Os melhores atletas que nós temos hoje, no Rio de Janeiro e no Brasil, vêm de comunidades. A comunidade acaba trazendo esse processo de bons atletas sem oportunidade e quando a gente consegue trazer um projeto como esse para dentro de espaços da comunidade, não só pensando em uma olimpíada mas também em uma vida melhor para eles, isso facilita muito o caminho para o crescimento do esporte e das crianças”, disse Simone Santos, presidente da Federação de Badminton do Estado do Rio de Janeiro, Simone Santos.


A atleta olímpica Lorrayne Vicente, seis vezes campeã pan-americana, conta sua experiência saindo de uma comunidade do Rio de Janeiro até se tornar uma atleta profissional e viver do badminton.

“Eu comecei em um projeto social chamado Miratus, na comunidade da Chacrinha, no Rio de Janeiro e lá eu treinava de graça e eles pagavam os torneios para eu participar. Foi assim que eu consegui viajar para outros países, ir para a Seleção Brasileira e jogar uma olimpíada. Foi com esse projeto acreditando em mim que eu consegui sonhar, realizar e hoje viver do badminton”, disse a atleta.


O presidente da Confederação Brasileira de Tiro com Arco, João Cruz, frisou que está muito feliz em ver que Niterói trilha o caminho do esporte como ferramenta de inclusão social e diz não ter dúvidas de que vai sair campeão do parque.


“A gente precisa divulgar o esporte. Os maiores atletas do país vieram de projetos sociais e eu estou maravilhado com esse espaço. Eu queria que as pessoas desse valor ao esporte. Venho de um município que o esporte é muito valorizado como uma grande ferramenta de inclusão social e saúde e vejo que esse mesmo caminho é trilhado por Niterói e tenho certeza que a gente vai fazer campeão aqui”, vibrou João.


Estiveram presentes na aula inaugural o presidente da Confederação Brasileira de Tiro com Arco, João Cruz, o vice-presidente, Cesar Moreira, o técnico da Seleção de Base, Isaias Costa, o técnico do projeto, Lugui Cruz, o administrador do Centro de Treinamento, Marcelo da Costa, e os atletas Mateus Almeida e Graziela (Yaci) Santos. Representando o badminton, a Presidente da Federação de Badminton do Estado do Rio de Janeiro, Simone Santos, o diretor de desenvolvimento, Tony Costa, o diretor de arbitragem, Marco Araújo, e os atletas Lorrayne Vicente, atleta olímpica e 6 x campeã pan-americana, e Arthur Nepomuceno, atleta Seleção Brasileira e vice-campeão pan-americano.


Parque Esportivo e de Inclusão Social do Caramujo – O espaço teve sua última parte entregue em agosto de 2020 e conta com quadra poliesportiva coberta, campo de futebol, pista de atletismo, pista de bicicross e skate park que será utilizado por moradores do bairro e adjacências. O Pesc está com inscrições abertas para vários esportes e atividades físicas individuais. O espaço oferece levantamento de peso olímpico (LPO), luta greco-romana, atletismo, skate e outros esportes olímpicos, como também para ginástica funcional para a terceira idade, dança, além de atendimento social. Neste momento, por conta da pandemia do novo coronavírus, o espaço não está realizando atividades com esportes coletivos.


Para se inscrever, é preciso ser morador do Caramujo ou adjacências e procurar a secretaria do Parque que funciona das 8h às 17h, munido da certidão de nascimento e documento do responsável. Atualmente, o espaço está funcionando com turmas menores para respeitar o distanciamento entre os alunos.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support