Niterói abre inscrições para auxílio social destinado a mulheres que sofrem violência

O benefício, no valor de R$ 1 mil mensais, vai ajudar as vítimas a romperem o vínculo com seu agressor.

Na semana em que se celebra o Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher, comemorado em 25 de novembro, a Prefeitura lançou o Programa Auxílio Social para Mulheres em situação de violência no município de Niterói, nesta terça-feira (23). O programa foi estruturado e será operacionalizado pela Coordenadoria de Direitos e Políticas das Mulheres (Codim) com o objetivo principal de ajudar essas mulheres a quebrar o vínculo com o agressor e romper o ciclo da violência. O programa destina às vítimas R$ 1 mil, durante o período de seis meses, prorrogáveis por mais seis.

O prefeito de Niterói, Axel Grael, contou que sempre teve como sonho a sustentabilidade e a justiça social e que, esses temas, pautaram suas ações ao longo da vida política e da militância social. Ele também ressaltou que não se consegue alcançar a justiça social sem igualdade, seja de gênero, social ou racial que é uma busca e uma luta de toda sociedade.

“Essa é uma política de governo em que estamos envolvidos de forma integral com as secretarias e também com as alianças necessárias com órgãos da sociedade civil e do legislativo. É fundamental que a gente facilite o acesso aos equipamentos, porque a mulher que está sob ameaça tem muitas dificuldades e inseguranças para sair da situação de violência. Quanto mais perto e acessível o serviço estiver dessa mulher, melhor será nosso trabalho. Nós, que dedicamos a vida ao serviço público, ficamos muito felizes quando os projetos saem do papel para atender a população nas suas necessidades. A gente sabe onde quer chegar, porque isso é um problema em nosso país, onde não temos um projeto de nação, mas em Niterói nós temos o projeto de cidade”, declarou o prefeito.

A primeira-dama, Christa Grael, esteve na cerimônia de lançamento do programa e falou da importância do projeto.

“A cidade fez aniversário e a população ganhou mais um projeto importante. Para nós, mulheres, é uma alegria porque a gente sofre quando vê outra mulher sofrendo e é preciso romper o ciclo da violência. Nós mulheres somos maioria, então vamos seguir juntas”, disse Christa.

A secretária da Coordenadoria de Direitos e Políticas das Mulheres, Fernanda Sixel, destacou que a Codim vem articulando ações que possam proporcionar às mulheres formas de romperem com a violência.

“Compreendemos a responsabilidade do poder público na garantia dos direitos dessas mulheres, provendo as condições para que possam romper com o agressor e com o ciclo de violência. O Auxílio Social é uma ferramenta fundamental no enfrentamento às violências contra as mulheres e possibilita a construção de portas de saída e esperança para que cada mulher possa conquistar sua emancipação. Estamos trabalhando para garantir, além do auxílio, cursos de capacitação e banco de oportunidades de emprego, além da ampliação dos locais de atendimento como forma de facilitar o acesso às políticas públicas ”, disse a secretária.

As inscrições para o Auxílio Social para Mulheres em situação de violência, institucionalizado pela Lei Nº 3622, começam nesta quarta-feira (24). Para ter direito ao benefício, a mulher precisa atender a requisitos como morar em Niterói, residir com o agressor no momento da agressão, efetuar o Boletim de Ocorrência e possuir renda de até três salários mínimos ou renda média per capita familiar de valor igual ou inferior a R$700,00. Os casos serão avaliados pela equipe técnica do Centro Especializado de Atendimento à Mulher em Situação de violência (Ceam), que fará o relatório técnico para a entrada no programa e o acompanhamento continuado das atendidas, inclusive para avaliar a prorrogação do benefício.

Joana, nome fictício para preservar a usuária, 59 anos, é atendida pelo Ceam desde 2018. Ela chegou ao local para pedir informações, mas ainda sem entender muito bem o que vivia. Mãe de dois filhos e casada há 35 anos, começou a perceber que a relação era abusiva ao ver reportagens na televisão e ouvir conversas entre as pessoas. Segundo ela, vivia sob constante violência psicológica e física, além da dependência econômica – violência patrimonial – que muitas vezes se torna um obstáculo para o rompimento do ciclo da violência doméstica.

“Um dia, passei na calçada e vi uma placa dizendo sobre atendimento para mulheres. Resolvi entrar para perguntar e já fui agendada para um primeiro atendimento com a assistente social. Me senti uma cebola, tirando cascas. Todos os dias era uma casca que saía. Eu abria cortinas e cada vez ia ficando mais clara a minha percepção sobre o meu casamento. Estar aqui foi fundamental para eu me situar, me colocar e não aceitar o inaceitável”, contou a usuária.

Joana destaca que se não trabalhava, o então marido reclamava e se arrumava um emprego começavam os problemas porque estava trabalhando. “Paguei toda faculdade da minha filha com o dinheiro das vendas de quando trabalhava na loja. Muitas vezes não sobrava nada para mim, era só a mensalidade da faculdade dela. Ele dizia que meu trabalho não servia para nada”.

Ela conta que quando ele saiu de casa as coisas ficaram mais difíceis e com o início da pandemia ficou desempregada. “O auxílio teria me ajudado muito a tomar a decisão de sair da relação há mais tempo. Como eu não era casada legalmente é tudo muito complicado e burocrático. Eu não tenho renda e para ele pagar algo é sempre difícil”, conta Joana.

O lançamento do programa faz parte da programação dos 21 dias de Ativismo contra a violência à mulher que segue até meados de dezembro. Nesta quinta-feira (25), será reinaugurado o Centro Especializado no Atendimento às Mulheres Neuza Santos (Ceam) que passou por reformas para tornar o espaço mais acessível às mulheres.

Participaram do lançamento do benefício do Auxílio Social diversos secretários, representantes de comitês, conselhos e órgãos da sociedade civil e também parceiros da rede de proteção e combate à violência contra a mulher.

Para mais informações sobre o Auxílio Social, a mulher pode ligar ou mandar mensagem para o número (21) 98204-4306 que será um canal exclusivo de atendimento para informações do programa e vai atender também como o WhatsApp.

Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher – O dia 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, é uma data para reforçar a luta de combate e eliminação das várias formas de violência que vitimam as mulheres em todo o mundo, em que muitas mulheres ainda não se reconhecem em situação de vítimas de violência. No dia 25 de novembro de 1960, as irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como “Las Mariposas”, foram brutalmente assassinadas pelo ditador Rafael Leônidas Trujillo, da República Dominicana. Em dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro como o Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher, e neste dia o início da Campanha 16 dias de ativismo contra a violência contra as mulheres, que no Brasil tem início no dia 20/11, ampliando a campanha para os atuais “21 dias de Ativismo Contra a violência contra as mulheres “

Principais atividades dos 21 dias de ativismo:

25/11: Entrega do novo CEAM – 10h

29/11 a 04/12: Seminário Mulherio (UFF) – Tecendo Redes e Transpondo Desafios – É necessário fazer inscrição prévia. Informações pelo Instagram @cuidardemulheres

30/11: Exposição “Presença D´elas – A mulher preta no cotidiano” – 17h30

04/12: Ato pela Eliminação da Violência Contra as mulheres – 10h

10/12: Lançamento PAM – Protocolo de Acolhimento à Mulher em Situação de Risco em Niterói

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support