Firjan apresenta índice de gestão fiscal para Prefeitura de Niterói Imprimir

15/09/2017 – O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, participou de uma reunião com o presidente da Firjan Regional Leste Fluminense, Luiz Césio Caetano, sobre o índice de gestão fiscal da entidade, na noite de quinta-feira (14/09). No encontro, dirigentes da entidade e representantes do Município analisaram o levantamento e discutiram boas práticas de gestão. Niterói foi o único município do estado a alcançar a excelência na gestão de suas contas públicas em 2016, ficando com o primeiro lugar estadual, e também conquistou o sexto lugar no ranking nacional.

“Niterói estava vivendo uma profunda crise e, por isso, quando assumimos a administração da cidade, em 2013, mudamos as diretrizes da gestão fiscal. Promovemos ajustes, implantamos uma política fiscal equilibrada e investimos em modernização da gestão e planejamento estratégico. Com essa gestão equilibrada, conseguimos assegurar o pagamento de salários em dia, manter a qualidade nos serviços públicos e realizar investimentos em saúde, segurança e educação. O bom desempenho de Niterói no Índice Firjan de Boa Gestão Fiscal (IFGF) reflete isso”, explica Rodrigo Neves.

De acordo com o levantamento, que analisou as contas de 4.544 prefeituras do Brasil, além de Niterói, apenas outras 12 cidades atingiram o conceito máximo. Das 92 prefeituras do estado do Rio, somente 2% alcançaram a excelência no índice.

“Niterói é um destaque fantástico neste cenário de crise que se encontra o Estado. Manter uma política de gestão fiscal equilibrada é um enorme desafio que temos que enfrentar e Niterói mostra que é possível”, destacou Luiz Césio Caetano.

Os cinco indicadores analisados no IFGF são Receita Própria, Gastos com Pessoal, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida. Niterói alcançou a nota máxima em dois deles em 2016: Receita Própria e Investimentos. Segundo o gerente de Estudos Econômicos da Firjan, Guilherme Mercês, foi o que permitiu que a cidade se destacasse no ranking estadual e nacional.

“O desempenho de Niterói nas contas públicas se destaca bastante, principalmente, em vista do cenário de crise fiscal que afeta a maioria dos municípios, não só do Rio de Janeiro, como do Brasil. Niterói gera mais da metade da sua receita e destinou mais de 20% do seu orçamento para investimentos – quase dez vezes mais que a média dos municípios, esses dois fatores foram essenciais para o bom desempenho da cidade no índice”, explica o economista.

Também participaram do encontro o vice-prefeito eleito Comte Bittencourt, o secretário de Fazenda, Pablo Villarim, e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Luiz Paulino Moreira Leite, entre outros membros do Executivo.


Série histórica – A boa colocação de Niterói no ranking revela uma melhora progressiva. No primeiro IFGF, que analisou as contas de 2005, a cidade ficou em 23º lugar no estado e em 657º no país. Em 2012, a cidade estava em 55º no estado e 2.188º no país. Desde que a atual administração da Prefeitura assumiu, a cidade pulou da 46ª posição no estado e 1.719ª no país, em 2013, para a 7ª e 84ª em 2014, 2ª e 45ª em 2015 e agora o 1º lugar no estado e 6º país em 2016.