Moradores de Niterói podem pedir doação de mudas produzidas nos viveiros da cidade Imprimir
11/10/2017 – Os moradores de Niterói que tiverem interesse em participar do esforço para a arborização da cidade contam a partir de agora com um canal direto com a Prefeitura. A partir do e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. , é possível solicitar a doação de uma muda em um dos três viveiros em funcionamento hoje na cidade. Para isso, é preciso anexar de uma foto com boa qualidade do local onde se pretende fazer o plantio, além de um documento de identificação para confecção de um termo de responsabilidade e um comprovante de residência. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade avaliará a viabilidade do plantio e qual a muda ideal para o local.
Durante uma visita, nesta quarta-feira (11/10), ao viveiro de mudas do Horto do Fonseca, na Zona Norte da cidade, o prefeito Rodrigo Neves afirmou que a preservação do verde é um compromisso da atual administração, principalmente porque, no atual cenário de mudanças climáticas, esse tema é fundamental para as atuais e futuras gerações.

“Em 2014, foi assinado um decreto protegendo mais de 10 milhões de metros quadrados de área verde, com a criação do Parnit. Hoje, Niterói é a cidade de região metropolitana com a maior proporção de seu território classificado como área protegida em todo o país. Cerca de 50% do território do município é área de preservação e proteção ambiental”, afirmou.

 

O prefeito lembrou que, em 2013, foi criado o programa Niterói Mais Verde, que contempla uma série de ações para preservar e ampliar as áreas protegidas da cidade e fortalecer os corredores ecológicos. O município, que não tinha uma estrutura de arborização urbana, hoje tem três viveiros em pleno funcionamento. O do Horto do Fonseca, construído através de parceria com a Ecoponte, produz 40 mil mudas por ano, de espécies de mata atlântica e frutíferas. O viveiro de Itaipu tem capacidade de produção de 20 mil mudas por ano. E o maior deles, na sede da Clin, em São Lourenço, produz 100 mil mudas/ano.

 

“Nenhuma outra cidade do estado, com exceção da capital, tem uma estrutura como essa, produzindo 160 mil mudas por ano para arborização urbana e programas de reflorestamento”.

 

A Prefeitura também tem atualmente, um programa de compensação ambiental para o licenciamento de obras de grande porte. Para a construção de um supermercado em Santa Rosa, por exemplo, os empreendedores retiraram árvores que não eram remanescentes de Mata Atlântica, mas foram obrigados, em contrato, a fazer o plantio e acompanhamento, por três anos, de um número seis vezes maior de mudas na Praia do Sossego. Na obra do Mergulhão da Praça Renascença, foram removidas 300 árvores e replantadas 1.200, no mesmo local. Já na Transoceânica, foram retiradas cerca de 400 árvores e serão replantadas outras 12.000, ao longo dos próximos meses, na Região Oceânica, Charitas e Preventório.