Gecopav aperta o cerco contra construções irregulares e desmatamento em áreas verdes Imprimir

12/10/2017 – O Grupo Executivo para o Crescimento Ordenado de Preservação das Áreas Verdes (Gecopav), da Prefeitura de Niterói, intensificou as rondas ostensivas de meio ambiente em diversos bairros da cidade. Foram emitidas mais de 20 notificações desde setembro para que construções que estavam sendo iniciadas e tentativas de corte de vegetação em áreas verdes fossem suspensas imediatamente. Na próxima semana, as ações irão continuar e contarão com o reforço do drone da Defesa Civil.

“Estamos intensificando as ações em toda a cidade. A meta é avançar cada vez mais e ampliar, a cada semana, a fiscalização nas áreas verdes da cidade incluindo o Parnit, que abrange a Zona Sul, a Região Oceânica e a Baía de Guanabara”, afirma o coronel Wilton Ribeiro, coordenador do Gecopav.

Uma das ações realizadas ao longo da semana incluiu uma varredura no Rio Cubango para apuração de denuncia de desmatamento.  Neste local, a equipe percorreu uma grande área e não encontrou nenhum indício, mas será um dos lugares a ser vistoriado na próxima semana com o objetivo de ampliar o raio de vigilância.

Já na Travessa Souza Soares, no Maceió, foi localizada uma construção irregular sobre o Rio Sapê, tendo sido aplicada infração de embargo, com determinação para paralisação imediata da obra e demolição.

Atendendo a denúncia na área de Maria Paula, na Rua Prof.  Aristides de Mello, a equipe do Gecopav encontrou uma pequena oficina, sem que ficasse caracterizado desmatamento. Foi lavrado um Auto de Infração para a paralisação da construção no local e aberto um processo para acompanhamento e monitoramento frequente da área.

As incursões aconteceram ainda em locais como: Parque da Cidade (Morro da Viração), Serra Grande, em Piratininga, São Francisco, próximo ao Morro do Cavalão, Itaipu, Estrada Velha de Itaipu, Cantagalo, e bairro de Fátima entre outros.

A blitz ambiental é formada também pela Guarda Municipal de Niterói, por meio da Coordenadoria Ambiental, pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade (SMARHS), Secretaria de Ordem Pública (Seop) e, quando necessário, a Polícia Militar.

 

Denúncias também direcionam fiscalização

Além das blitzen surpresas, a fiscalização também está atuando atendendo a denúncias oriundas de da Ouvidoria Municipal, aplicativo Colab.re, além de denúncias feitas na própria Secretaria de Meio Ambiente ou através do número 153 da Guarda Municipal, que atende no Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), e solicitações do Ministério Público.

“Niterói é hoje uma cidade que tem um poder público totalmente envolvido e preocupado com o meio ambiente. Vamos continuar agindo. As pessoas precisam se conscientizar que é crime desmatar e depredar, além da questão de destruição do ecossistema”, explica Paulo Pereira, fiscal da Secretaria de Meio Ambiente.

Um decreto assinado pelo prefeito Rodrigo Neves em 2014 instituiu o Programa Niterói Mais Verde criou 22,5 milhões de metros quadrados de áreas protegidas no município.